A síndrome do especialista em negócios


especialista-em-negocios

Podem me chamar de impiedoso, de sem coração ou de qualquer outro adjetivo referente a uma pessoa “do mal”, mas vou confessar um segredo, quando vejo uma empresa mal administrada quebrar e fechar as portas, não consigo sentir pena alguma da situação, pelo contrário, uma sensação de “teve o que mereceu” me domina nessas horas.

Tempos atrás, havia comentado aqui mesmo neste blog sobre um fator que eu considero preocupante e que tem como conseqüência o encerramento precoce de várias empresas.

No texto O primeiro passo para quem deseja abrir uma empresa, falei um pouco sobre aqueles empreendedores que abrem suas empresas sem nenhuma noção do mercado em que irão atuar. Esses, resolvem abrir suas portas sem nunca terem visto uma pesquisa de mercado, e depois que nenhum cliente aparece, começam a arranjar as mais variadas desculpas do porque nada ter dado certo.

Hoje, como uma espécie de continuação da série (adianto que essa não era a minha intenção), irei falar sobre um outro fator que me leva a ter o sentimento mencionado no primeiro parágrafo, trata-se do menosprezo pela opinião dos profissionais formados na área de negócios, sejam eles administradores, economistas, publicitários, etc…

A síndrome do especialista em negócios

Veja como são as coisas, eu nunca vi pessoas que não são da área de direito questionarem a opinião de um advogado, ou de pessoas que não da área médica questionarem o diagnóstico de um médico, mas quando o assunto envolve a área de negócios, ahh… aí todo mundo é expert! Todo mundo sabe tudo e a opinião de um profissional torna-se irrelevante.

Diversas vezes já presenciei um grupo de pessoas que, quando começam a discutir sobre uma determinada empresa, ou seja, sobre qual a melhor forma de geri-la ou de promove-la, se sentem verdadeiras Michael Porter‘s.

Essas pessoas se acham na obrigação de saber qual a melhor forma de levantar o negócio, é incrível! Parece até uma discussão sobre a escalação de time de futebol, onde todos sentem-se técnicos campeões do mundo e sabem qual a melhor forma de escalar o time e posicionar os jogadores.

Profissão especialista em negócios

É inacreditável como todo mundo sabe exatamente o que fazer nessas horas, parece até desrespeito aceitar uma sugestão alheia. Se até para profissionais com anos de experiência ou anos de estudo (ou, em alguns casos, os dois) já é muito difícil identificar falhas e propor melhorias em qualquer negócio, quem dirá para aquelas pessoas que estão começando se aventurar nesse novo mundo?

especialista-em-negocios

O engraçado é que, como todo bom brasileiro, depois que as coisas param de funcionar, começam a surgir aqueles bons e velhos shows de desculpas.

Procurar um culpado pelo SEU erro torna-se uma obsessão, colocar a culpa no governo por exemplo já virou moda!

Falar que os impostos são altos ou que não há incentivo, dizer que houve falta de sorte, que seu negócio foi aberto em um momento ruim da economia (quando na verdade, isso deveria ter sido identificado muito antes) virou praxe.

Como se não bastasse, poucas vezes ouvi falar de algum empreendedor que fechou seu negócio precocemente admitir que cometeu erros em sua gestão. Talvez eles achem constrangedor admitir suas falhas e correr o risco de ficar conhecido como um profissional incapacitado, o que sinceramente eu acho uma GRANDE besteira.

Porém, enquanto uns pensam desta forma, do outro lado da moeda encontram-se aqueles empreendedores que estão abertos a opiniões, que podem até não usa-las da maneira como lhe foram sugeridas, mas que sabem retirar delas um precioso insight que resultará em uma melhora no seu negócio.

Os mais talentosos por sinal, não esperam alguém lhe dizer o que está errado ou como fazer para melhorar, eles tem uma preciosa habilidade de arrancar sutilmente essa informação das pessoas mais próximas a ele, seja ela um cliente ou um melhor amigo.

Confesso que há profissionais de negócios que de fato não sabem o que falam, baseiam suas opiniões em achismos e chutes, entretanto, em TODAS as profissões existem profissionais assim.

Ninguém é obrigado a saber de tudo, mas todos nós somos sim obrigados a ter humildade o suficiente para reconhecer a ajuda que uma pessoa está lhe oferecendo.


Newslatter

Comentários

  1. […] Ele ainda afirma que a maioria das pessoas sofre de um grave problema de adivinhação quando o assunto envolve o gerenciamento de pessoas. Todos nós acreditamos saber o que está certo ou errado na administração de uma empresa ou na economia de um país, todos nós somos experts em dizer o porque um artista ou um livro virou sucesso e porque outros não deram certo. Na grande maioria das vezes, mesmo sem termos dados para comprovar nossas teorias, nossa tendência é tentar dar uma explicação para tudo. (Escrevi algo parecido em E lá se quebra mais uma empresa… que bom!) […]

  2. […] Na grande maioria das vezes, mesmo sem termos dados para comprovar nossas teorias, nossa tendência é tentar dar uma explicação para tudo. (Escrevi algo parecido em E lá se quebra mais uma empresa… que bom!) […]

  3. […] Na grande maioria das vezes, mesmo sem termos dados para comprovar nossas teorias, nossa tendência é tentar dar uma explicação para tudo. (Escrevi algo parecido em E lá se quebra mais uma empresa… que bom!) […]

  4. […] Na grande maioria das vezes, mesmo sem termos dados para comprovar nossas teorias, nossa tendência é tentar dar uma explicação para tudo. (Escrevi algo parecido em E lá se quebra mais uma empresa… que bom!) […]

  5. […] Na grande maioria das vezes, mesmo sem termos dados para comprovar nossas teorias, nossa tendência é tentar dar uma explicação para tudo. (Escrevi algo parecido em E lá se quebra mais uma empresa… que bom!) […]

  6. […] Na grande maioria das vezes, mesmo sem termos dados para comprovar nossas teorias, nossa tendência é tentar dar uma explicação para tudo. (Escrevi algo parecido em E lá se quebra mais uma empresa… que bom!) […]

LinkedIn Auto Publish Powered By : XYZScripts.com