Consumismo x Pirâmide de Maslow – Uma outra visão da teoria


piramide-de-maslow

Abraham Maslow (1908 – 1970) foi um psicólogo americano, conhecido pela proposta da hierarquia das necessidades de Maslow, onde dizia que as necessidades humanas são dispostas em uma hierarquia, da mais urgente para a menos urgente, teoria também conhecida como a Pirâmide de Maslow, reproduzida na figura abaixo. A partir dessas necessidades, Maslow procurou compreender e explicar as ações e o comportamento humano.

Sugiro para um melhor entendimento que você leia a explicação de cada necessidade neste artigo A Hierarquia das Necessidades de Maslow – Pirâmide de Maslow

Feito as apresentações agora irei me concentrar em discutir apenas esta afirmação:

As pessoas tentam satisfazer as necessidades mais importantes em primeiro lugar. Quando conseguem satisfazer uma necessidade importante, tentam satisfazer a próxima necessidade mais importante.

Uma crítica sobre a Pirâmide de Maslow

Entende-se que, antes de passar para uma próxima necessidade, é preciso primeiro satisfazer uma necessidade anterior. Maslow ainda diz que “se todas as necessidades estão insatisfeitas e o organismo é dominado pelas necessidades fisiológicas, quaisquer outras poderão tornar-se inexistentes ou latentes”, ou seja, há de se começar satisfazendo primeiro a necessidade fisiológica, não há um outro jeito.

Exemplo: Um homem passando fome (necessidade 1) não quer saber como é visto pelos outros (necessidade 3 e 4) e tampouco se importa em realizar uma viagem internacional ou comprar uma obra de arte (necessidade 5).

Porém, anos se passaram e o mundo mudou, o consumismo hoje alcança níveis nunca antes visto, esse processo é mostrado de uma forma brilhante no vídeo A historia das coisas. Mas o que esse consumismo tem haver com a Teoria de Maslow? Qual o sentido do titulo desse texto afinal? Vamos lá, eu explico.

consumismo

Se Maslow diz que é preciso satisfazer uma necessidade anterior para então passar para a próxima, como explicar então os casos, cada vez mais comuns por sinal, de pessoas querendo a todo custo buscar status e reconhecimento comprando um carro importado de altíssimo valor (necessidade 4) para depois estacioná-lo em sua casa de condições precárias, em um bairro afastado e sem nenhuma segurança? (deixando de lado a necessidade 2).

Como explicar ainda que essas pessoas preferem alimentar esse status, pagando um seguro para esse automóvel, sem sequer ter um plano de saúde para si mesmo? Plano esse que um dia poderá salvar a sua própria vida? Onde está a hierarquia de necessidades que diz que primeiro devemos satisfazer nossa segurança e depois buscar o reconhecimento?

Como explicar os recentes casos de mortes de pessoas em navios universitários, quando seres humanos sacrificam a sua necessidade básica de comer e dormir para acompanhar seu círculo de amizades, mesmo que isso lhe custe a própria vida?

O consumismo pula os estágios da Pirâmide de Maslow

Ainda não está convencido? Então vamos partir para um exemplo totalmente consumista:

Supomos uma família com baixo rendimento, seus hábitos de consumo se restringirão à compra de alimentos básicos como feijão e arroz e roupas para se abrigar do frio. Gastos com luxo estão praticamente descartados para esta camada da população.

O luxo está descartado? Será verdade? Não é o que diz uma pesquisa realizada no ultimo Natal , onde consumidores da classe D (com renda familiar em torno de R$750,00) revelaram que uma de suas principais intenções de compras estão produtos como TV de plasma, LCD ou LED

Enfim, naquele tempo em que nossos avôs compravam um par de calçados para durar a vida inteira podia sim existir uma hierarquia de necessidades, hoje, acredito eu, cada vez menos essa hierarquia é “escalada” degrau por degrau.

O que me faz refletir sobre o assunto é o seguinte, até que ponto o marketing é responsável por influênciar nossos desejos e alterar as ordens de nossas necessidades básicas fazendo com que pulemos esses degraus que Maslow defendeu durante tantos anos? Sabia ele que o Marketing influenciaria o consumidor a tal ponto? Ou o Marketing não tem nada haver com a história?

Postem suas sugestões.


Newslatter

Comentários

  1. Anonymous diz:

    Interessante sua visão! Tem algo a ver com o que vi no site http://www.cinvs.com/socialambiental.htm#consumidores ? Ou são idéias independentes? Contrditórias?

  2. Não são contraditórias não, mas cada um abordou o tema de uma maneira diferente…. Acabei de ler que "quanto mais aumenta a renda de uma pessoa, mais aumenta o seu gasto com bens superfúlos e menos com alimentação"Eu cada vez mais concordo com esse fato

  3. […] Diversos são os fatores que podem levar um indivíduo a consumir itens dos quais antes ele não via a menor necessidade. Alguns psicólogos podem afirmar que tal fato pode ser explicado observando a Hierarquia de Necessidades de Maslow,  porém, em minha opinião, tal teoria já está ultrapassada e não serve mais como uma explicação final, apenas como uma base (Leia a minha crítica sobre a Pirâmide de Maslow). […]

  4. […] o vídeo Motivação 3.0 do Daniel Pink e também já expliquei o porquê não acredito mais na Hierarquia das Necessidades de Maslow. Hoje vou falar sobre outra teoria menos conhecida chamada Teoria da Expectativa, criada por um […]

LinkedIn Auto Publish Powered By : XYZScripts.com