Inovação no espaço público: nem sempre o final será como você planejou


placa-publica

O texto de hoje é dedicado a todos aqueles que pensam que o mundo é um arco-íris e que as pessoas são como os ursinhos carinhosos, dotadas unicamente de pensamentos bondosos, sem nenhuma maldade ou malícia no coração (essa só vai entender quem estiver na casa dos 30).

Tempos atrás, postei uma imagem no meu Facebook para mostrar uma ação que a Prefeitura de Presidente Prudente havia acabado de implantar no parque de maior circulação da cidade.

Seguido de uma legenda bem ao meu estilo, irônica e provocativa, admirei a coragem do estagiário do órgão municipal em propor, e o que é mais difícil de acreditar, conseguir aprovar tal ação.

Como eu disse ao final do texto, poderia dar certo? É claro que sim! Mas a chance de dar algo errado era ainda maior.

E é aí que está todo o dilema da história…

Você apostaria o seu dinheiro em um jogo onde sua chance de sair como perdedor fosse maior do que a de sair como vitorioso?

Dificilmente…

Porém, quando o jogo em questão não envolve o seu dinheiro, aí fica bem mais fácil de fazer qualquer tipo de aposta. É como jogar Poker com fichas sem valor, você paga para ver as cartas em todas as rodadas.

12241671_899148733526184_6676508566875035862_n

*Cade as torneiras de água? Os prudentinos também tem sede!!!

É claro que não estou falando isso por pura maldade no coração, por não acreditar que as pessoas podem colaborar com ações desse tipo, longe de mim…

Inovação no espaço público: cuidados devem ser tomados

Estou apenas utilizando de outros estudos de caso como base para prever o final de ações parecidas, pois assim como em qualquer outra profissão, como médicos que discutem casos clínicos passados, engenheiros que debatem sobre casos de obras passadas, etc, os administradores também devem estudar e tratar de analisar projetos passados.

Algo parecido já aconteceu com a Pepsi e com McDonald`s, quando ambas as empresas resolveram criar uma #hashtag imaginando que seus clientes criariam histórias divertidas ao utilizá-las e o tiro acabou saindo pela culatra.

Quando sua ação depende da participação ativa das pessoas para funcionar, diversas variáveis precisam ser levadas em conta, e convenhamos, no nosso atual momento, onde tudo aumenta e não vemos nenhuma melhoria pública acontecer,  fica difícil de imaignar um final feliz para essa história.

Alguns acham esse julgamento uma loucura, outros falam que tudo não passa de teoria, outros ainda dizem ser arrogância e petulância.

E o que eu acho?

Que contra fatos não há argumentos.

Mas para ninguém dizer que eu só estou fornecendo o meu lado da história, nos comentários dessa publicação eu acabei recebendo algumas opiniões interessantes…

arte-placa

Poucos são os que utilizam para fazer arte…

Um deles dizia que a população deve ter a chance de expor sua opinião perante o público, seja ela qual for.

Quando a isso eu concordo, deve mesmo, mas existem maneiras mais eficientes, e principalmente baratas, de se fazer isso, como um portal na internet.

O que resta agora é acompanhar o andamento desse projeto para ver qual o final essa história terá…

E se eu estiver errado, se aparecer alguma utilidade publica nisso daí, eu faço questão de fazer outro texto admitindo o meu erro e pedir desculpas.

Obs: essa é apenas a minha opinião, não estou querendo impor nada e é claro que você não precisa concordar com ela. Fique livre para expor as suas nos comentários.


Newslatter
LinkedIn Auto Publish Powered By : XYZScripts.com