Vista grossa, Impunidade e Janelas Quebradas


Janelas-quebradas

Teorias, teorias e mais teorias. Não há como negar que a quantidade existente de teorias ao redor da nossa literatura é de deixar qualquer um maluco.

Está cada vez mais difícil ver algum livro do qual o autor não cedeu à tentação de rotular algum fenômeno, experiência ou estudo com algum nome marcante que começa com a palavra Teoria, ainda mais se a tal literatura for o mundo de negócios.

Algumas delas não passam de meras fantasias e preciosismo de seus autores, sem utilidade alguma para os leitores acabam se tornando facilmente esquecidas.

A teoria das Janelas Quebradas

Mas há também aquelas que a partir do momento que você toma conhecimento, passam a fazer você encarar os fatos que te cercam de um modo diferente do qual você está acostumado. Você começa a ter um ponto de vista mais crítico sobre o assunto e tudo começa a mudar.

Uma delas é a Teoria das Janelas Quebradas que foi originalmente publicada em um artigo para a revista Atlantic Montlhy em 1982 por dois criminologistas chamados James Q, Wilson e George Kelling e que serviu de base para apoiar o famoso programa Tolerância Zero, do qual o então prefeito de Nova Iorque Rudolph Giulini conseguiu reduzir o drástico índice de criminalidade que assombrava a cidade.

Neste artigo, os autores alegam que a indiferença em relação a pequenos delitos pode levar à tolerância a crimes mais graves e concluem dizendo que o crime é resultado inevitável da desordem.

Uma passagem que apoia essa conclusão pode ser acompanhada no seguinte trecho:

Se uma janela está quebrada e não é consertada, quem passa por ali conclui que ninguém se importa com aquilo e que não há ninguém no controle. Em breve, outras janelas aparecerão quebradas, e a sensação de anarquia se espalhará do prédio para a rua, enviando a mensagem de que ali vale tudo.

Segundo os criminologistas, em uma cidade, problemas relativamente insignificantes, como pichação, desordem em locais públicos e mendicância agressiva, são o equivalente das janelas quebradas – convites para crimes mais graves.

Esse estudo, como uma série de outros realizados por diferentes pesquisadores, nos mostra o quanto uma pessoa pode ser altamente sensível ao seu ambiente e influenciado por sua realidade. (*)

Para ficar mais fácil a compreensão, é fundamental que você entenda o seguinte pensamento:

Pequenos delitos não resolvidos ajudam a disseminar a sensação de impunidade.

A compreensão de tal frase é fundamental por que é a partir dela que partirei para a próxima discussão do texto; como estender as lições dessa teoria para outras áreas além da criminologia?

Tomemos por exemplo o ramo empresarial. Esse caso é real e foi contado por meu professor nos meus tempos de faculdade e ao que tudo indica não parece ser um caso isolado.

 

 

“Certa vez uma pequena empresa de 20 funcionários começou a sofrer um grave problema com indisciplina de horários. Tudo começou quando um único funcionário começou a se atrasar diariamente. Como nunca era repreendido e nem punido por isso, os outros 19 empregados, um a um, começaram a seguir tal indisciplina, e o que era uma exceção tornou-se uma desordem generalizada.”

De igual modo, não é difícil estender o efeito da teoria para o ambiente familiar. Imagine uma família da qual um filho se esforça para fazer todas as suas atividades de forma correta e pontual, mas de uma hora para outra começa a observar que o seu irmão, que não faz nada por merecer, não recebe nenhum tipo de corretivo.

Ele vê que por mais que esse deixe de cumprir com suas obrigações, ambos são recompensados da mesma maneira. Em um ambiente assim não é difícil de prever que com o passar do tempo a tendência é que o bom garoto se transforme em um desordeiro. (**)

Espero que o leitor agora entenda que certos atos indisciplinares, indiferentemente do ambiente, quando ignorados, por mais simples e insignificantes que possam parecer, podem desencadear ao longo do tempo uma série de problemas mais graves e difíceis de serem solucionados.


*A Teoria das Janelas Quebradas em co-relação com o programa de Tolerância Zero de Giuliani é abordado no livro O Ponto da Virada: Como pequenas coisas podem fazer uma grande diferença de Malcolm Gladwell. Mas para quem não deseja ler o livro todo, indico a leitura do texto publicado por Rodolfo Araujo Cabral e a Teoria das Janelas Quebradas

** O tema Meritocracia Familiar é abordado de forma mais ampla no livro Família de Alta Performance, de Icamy Tiba.


Newslatter
LinkedIn Auto Publish Powered By : XYZScripts.com