Você está falando a língua do seu cliente?


poliglota

Em um encontro internacional de executivos de empresas, um executivo norte-americano perguntou a um executivo japonês qual ele achava a língua mais importante para o comércio mundial. O norte-americano achou que a resposta seria o inglês. Mas o executivo do Japão, que tinha uma visão mais ampla do entendimento do negócio, sorriu e respondeu “A língua do meu cliente”.

Por ser da área acadêmica, por várias vezes já presenciei muitos professores que, ao querer impressionar os demais presentes, enchem sua aula com termos técnicos e palavras de vários idiomas. Muitos se esquecem de que as pessoas que estão ali sentadas ouvindo pacientemente sua aula após um longo e cansativo dia de trabalho, não querem ter a difícil missão de decifrar o que se passa em suas mentes mirabolantes. O resultado é que o professor não consegue entrar em sintonia com o aluno, que minutos depois, pega o seu celular e de lá não sai tão cedo.

Essa falta de conexão também acontece no mundo empresarial. Não é raro presenciar um empreendedor que, por estar animado demais com o seu novo produto que irá revolucionar o mundo, acaba se empolgando além do limite em sua proposta de vendas.

A dificuldade em conseguir ser objetivo, e ao mesmo tempo não se perder nos termos técnicos, é um grave problema para o pessoal que trabalha nessa área, como exemplo, transcrevo abaixo um trecho de um depoimento que retirei da internet:

“Essa semana conversei com um amigo sobre o produto que estamos desenvolvendo. Ele me sugeriu de tentar explicar o sistema em 20 segundos, que é o tempo médio que temos para tentar vender e explicar o sistema a um cliente. Não consegui. Me perdi nos termos técnicos, na usabilidade e em fatores que qualificam o nosso produto, mas que não dizem nada para um cliente que não conhece tecnologia. Foi a prova de que eu estou longe de ser um bom vendedor. Por que, mesmo nunca tendo sido exatamente um técnico (sempre odiei programação), ainda assim puxo o assunto para este lado.”

Se você está envolvido em qualquer tipo de negócio, ter um bom produto ou serviço não é o suficiente. Tornar-se um especialista em seu produto não é o suficiente. Conhecer bem seu produto, mas não seus clientes, significa que você tem algo a vender, mas ninguém para comprar.

No fim das contas, você pode falar até não aguentar mais, mas se as pessoas com quem você está tentando se comunicar não estão se importando com a sua mensagem, não será a quantidade de palavras que fará a diferença no resultado final. Pense nisso.


Newslatter
LinkedIn Auto Publish Powered By : XYZScripts.com